Estava deprimida,

Chorosa, insegura

Lamentando a ferida,

 Era toda amargura.

Quando um presente,

Ganhei, trazida assim...

De forma virtual

Iluminando a minha vID@

Chamava-se: "Luar do sertão"

Sua simplicidade, só isso

Me chamou a atenção...

 Pensei...refleti...

Não havia ...charmoso... igual,

Com as marcas do tempo

Em sua fisionomia, a calvice,

Os cabelos em prata, beleza fenomenal,

 Obra de arte natural

Na velhice sabedoria imaginei!

 ...solitário...sempre

Deu-me novamente

Vontade de cantar...

Me doei...

Desejei realizar todos seus sonhos

Dos mais secretos, ao

Mais simples

Dez meses...sonhei...

Sem parar!

Quanta alegria...

Meu DEUS, como eu te amei...

Tamanha felicId@de

Pedi apenas... sincerID@de

 

 

Então algo anormal,

Aconteceu!

Quem eu tanto considerava,

E dizia me amar, ...VIU ?

Num esquecimento...tolo...

Impediu-me sonhar...

O que julgava imutável,

Um caráter medonho demonstrou.

 Fantasia ?

Não era isso que eu queria,

E meu danado coração

Me pregou mais uma lição,

Agora aprendi esta lição

Jamais confundir,

Insegurança virtual,

Carência sem igual,

Com amor e vID@ real.

Acordei ...

Confesso que chorei

Tamanha decepção!

vID@   


                                                   


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe Twitter Compartilhe Google +
MENSAGENS MIDI FONADA - TRADUÇÃO - POEMA - MIDI - BACKGROUND - PLACIDOHOMES